pt en
Portal Intranet    +55 (21) 3559-9900

Notícias

Fique por dentro das novidades

PRESIDENTE FALA SOBRE O MERCADO E OS PLANOS DA EMPRESA EM ENTREVISTA AO PETRONOTÍCIAS

O diretor-presidente da Great Great Holdings, Rubens Botteri, foi entrevistado pelo site especializado PetroNotícias, em que fala sobre o mercado e os planos da empresa. Até o início do próximo ano, o grupo (por meio da recém-criada Great Energy) vai começar a perfurar os blocos adquiridos, no Recôncavo baiano, na última rodada de leilões da ANP. O investimento será de US$ 10 milhões e, de forma inovadora, um fluido biodegradável de perfuração da Great Solutions será utilizado. Great Great Holdings (serviços de perfuração), Great Energy (exploração e produção) e Great Solutions (fluido com nanotecnologia biodegradável) integram a Great Holdings Brasil. Confiram a entrevista:

PetroNotícias – Como é a atuação da empresa no setor de óleo e gás?

Rubens Botteri – A Great Oil, que faz parte da Great, atua no setor de perfuração de poços onshore desde o ano de 2005. Ela foi constituída como Drillfor. Depois, foi adquirida pela Tuscany International Drilling e, em 2014, ela passou a ser controlada por uma empresa americana chamada Petrotech. A Great Oil tem oito sondas de perfuração com capacidade de perfurar entre 2.000 metros e 3.000 metros de profundidade. Entre os principais clientes, estão Petrobrás, Parnaíba Gás Natural e Petrogal.

PetroNotícias – Quais são os principais projetos em andamento?

Botteri – No ano passado, tomamos a decisão de atuar no setor de exploração e produção. Participamos da 13ª rodada e adquirimos dois blocos na Bacia do Recôncavo, na Bahia. Foram os blocos 42 e 108. Constituímos uma empresa que vai ser o nosso braço no setor de exploração e produção, que se chama Great Energy. Nós pretendemos também participar das próximas rodadas da ANP e estamos estudando outras alternativas.

PetroNotícias – Que alternativas são estas?

Botteri – Apresentamos propostas para o Projeto Topázio. E também estamos buscando outras oportunidades no Recôncavo Baiano. Uma das ideias é fazer farm in com empresas que detêm concessões nessa área.

PetroNotícias – Qual a expectativa da empresa para o mercado de óleo e gás?

Botteri – Eu acho que o momento é difícil, mas está em curso uma recuperação nos preços do petróleo. A dificuldade da Petrobrás também gerou uma oportunidade. A Petrobrás quer se desfazer de campos onshore e isso gera oportunidade para quem quer adquirir. Isso se torna também uma oportunidade para o setor de serviços, que está muito deprimido há tempos. Vai ser muito bom para o mercado, de todos os ângulos que se possa observar.

PetroNotícias – O senhor poderia explicar as vantagens da utilização de fluidos biodegradáveis na perfuração de poços na Bacia do Recôncavo?

Botteri – Os fluidos usados hoje são os a base d’água e os sintéticos a base de parafina. Fluidos sintéticos necessitam ser descartados porque têm componentes químicos poluentes. Nos associamos a Binder, que produz fluidos a base d’água com características e performance similares ao do fluido sintético. A Binder usou a tecnologia das nanopartículas neste produto. Esse fluido é biodegradável. Tem como componentes o éster e óleo de soja. Ele não precisa ser descartado por empresas especializadas. Nós pretendemos usar na perfuração dos nossos próprios poços e também estamos negociando com nossos clientes. Temos conversas avançadas para utilização desse fluido.

PetroNotícias – E como está a utilização desses fluidos na Bacia do Recôncavo? Em que etapa está este projeto?

Botteri – Estamos reprocessando a sísmica. Já recebemos o material reprocessado e estamos analisando com nossos geólogos. Nos próximos três meses, vamos determinar as coordenadas onde perfuraremos esses poços. A ideia é perfurar no final deste ano ou no começo do ano que vem. Serão quatro poços nesses dois blocos, com investimento previsto de US$ 10 milhões.

http://www.petronoticias.com.br/archives/86061

 

deixe uma resposta